fechar
Acessibilidade (0)
A A A

Escolha o idioma

pt
oe_80_anos_745x206px_oe_2_14206977345821a5726b923.jpg
d5be7ba33e7e6727c38d5f64aabf5905.jpg
f94424294702c78017e30b0c79e2043b.jpg
Região Centro
Região Sul
Madeira
Açores
27-09-2011, 17:13

Eng. Albino Miguel Berenguer Matias

Membro

Região: Sul

Respostas: 12

O Processo de Bolonha

Sendo um assunto reincidente, recordo que o processo de Bolonha foi iniciado em 1999 e pretendia a harmonização das estruturas do ensino superior e adopção de um sistema de graus académicos facilmente legível e comparável. O problema que se colocou desde logo foi a equivalência dos antigos graus académicos, cuja designação homóloga passou a ser muito menos exigente, ou seja, o grau de licenciatura passou a ser obtido com 3 anos em vez de 5. Seria pois lógico conceder a equivalência entre as antigas licenciaturas de 5 anos e os mestrados integrados de 5 anos. Mas a posição das universidades foi intransigente. A concessão do título de mestrado integrado pressupõe a frequência de cadeiras adicionais e pagamento de propinas. Não é aceitável que as licenciaturas de 5 anos sejam sujeitas a um "downgrade" académico justificado pela sua antiguidade, como se as licenciaturas possuissem um prazo de validade à semelhança das cartas de condução. Tambem me entristeceu a posição da OE ao declarar admitir como membros da OE licenciados de 3 anos de Bolonha. Corresponde a uma capitulação face a todo o processo.

Responder

#-9 Reportar esta resposta 19-01-2012, 17:24

Eng. Albino Miguel Berenguer Matias

Membro

Região: Sul

Respostas: 12

Re: O Processo de Bolonha

Caro colega, continua a tentar deificar o mestrado integrado por causa da famosa "tese", que é práticamente igual ao que se designava por "trabalho final de curso" nas antigas licenciaturas. O objectivo final do processo de Bolonha foi o de reduzir os custos com o ensino superior. No processo assiste-se a um fenómeno de inflacção curricular, ideal para as universidades, adequado para quem consegue pagar as propinas. Como corolário, insiste na obsolescência dos antigas licenciaturas, lamento mas não posso aceitar, até porque em todo este processo ninguém contabilizou a experiência profissional para nada.

Citar

#-8 Reportar esta resposta 13-01-2012, 12:02

Eng. Francisco Manuel Rodrigues Craveiro

Membro Sénior

Região: Sul

Respostas: 9

Re: O Processo de Bolonha

A comparação entre uma licenciatura antes do processo de Bolonha e um Mestrado depois deste processo (ou não), não faz sentido. São dois cursos com perfis diferentes. O mesmo se dirá para os Doutoramentos. Os antigos Bacharelatos e Licenciaturas e as actuais Licenciaturas, eram e são, cursos com frequências que variam na quantidade (horas / anos leccionados), profundidade da temática leccionada, modo como são administradas (repartidas em frequências teóricas, praticas e de laboratórios), na forma como são avaliadas (por frequência, com repartição ou não da matéria, ou por exame) e da multiplicidade que cada entidade de ensino (Politécnico / Universidade / Faculdade) dá a cursos com o mesmo nome, mantendo um núcleo duro de determinadas frequências que caracterizam o curso em causa. Os exames são feitos por uma pessoa e corrigidos por uma pessoa. A relação aluno/professor é fundamental (para o bem e para o mal) e a avaliação é feita com base na demonstração de conhecimentos do que foi ensinado. Um mestrado de Bolonha não é uma licenciatura. É um curso com um perfil completamente diferente. Para além de frequências nos moldes de uma licenciatura, existe uma tese. Isso faz toda a diferença, pois uma tese não é um trabalho de projecto que se faziam em todos os cursos antes de Bolonha. Uma tese é um trabalho onde se desenvolve um determinado tema durante meses a fio; implica investigação e inovação (não apenas demonstração de conhecimento da matéria leccionada). Exige meses de procura, compilação, deslocação a empresas, faculdades, "bater" em muitas portas (que por vezes não estão disponíveis), gastos monetários mais elevados; muitos avanços e recuos com o mentor ou mentores do tema. Depois de ter o acordo dos coordenadores do trabalho desenvolvido, tem que fazer uma apresentação com limite de tempo e qual deve ser concisa e abordar toda a temática de forma clara; apresenta-la publicamente, numa sala aberta a todo o publico, o que para alguns também não é fácil estar a apresentar algo, sujeito aos comentários do público e exposto a este; seguido de um questionário e avaliação de 4 a 5 pessoas (do estabelecimento de ensino e exteriores). A tese fica no reportório da Biblioteca Nacional, para contribuir para o desenvolvimento do conhecimento e ao dispor da crítica pública. Ninguém de boa fé pode beliscar as antigas licenciaturas. Estas são um marco no desenvolvimento da economia e conhecimento de Portugal. E todos aqueles que a possuem (onde estou incluído) devem respeita-la e ter orgulho na mesma. Por mim recuso qualquer tipo de equivalência e título de secretária, pois o seu valor fala por si. Acredito que a sociedade tem inteligência e conhecimento para distinguir o que é diferente. Se não for assim também tenho que enigrar.

Citar

#-7 Reportar esta resposta 12-01-2012, 15:50

Eng. Francisco Manuel Rodrigues Craveiro

Membro Sénior

Região: Sul

Respostas: 9

Re: O Processo de Bolonha

Meu caríssimo Colega, As opiniões confrontam-se, na base do respeito mútuo das diferenças que cada um possa ter em relação aos temas em questão. É na confrontação de ideias que o mundo pula e avança e a humanidade evolui. Aos 45 anos de idade eu não insinuo e se tiver algo para dizer digo com clareza que a minha educação o permite e frontalmente! Não necessito que outros coloquem pseudo intenções no eu escrevi ou as interpretem algo que não escrevi. Pensei em não responder, mas como acho que é meu dever usar este espaço para confrontarmos ideias e contribuir nos temas de engenharia em prol do serviço dos Portugueses, ma minha modesta opinião, e ela vale o que vale, julgo: Verdades absolutas não existem. O que é falso ou verdadeiro a historia encarregou-se de dizer á humanidade que depende do prisma com que cada um olha para uma determinada realidade. Tenho muito orgulho na licenciatura que tirei antes da reforma de Bolonha. E é desse orgulho e respeito pela mesma, que recuso que alguém venha via administrativa predomina-la para um pseudo mestrado. Orgulho-me de ser um licenciado ?pré-Bolonha?. Não considero que a sociedade civil seja ignorante (seria uma arrogância sem limites da minha parte) e que não consiga distinguir uma licenciatura antes e depois do processo de Bolonha. Felizmente o conhecimento da sociedade e em especial das empresas instaladas em Portugal, que pagam o ordenado de muitos engenheiros, é esclarecida e sabe fazer distinções do que é diferente! Não faço juízos de valor da qualidade de ensino do antes e do depois do processo de Bolonha, da qualidade dos cursos, das faculdades onde estes cursos foram tirados (apesar de ter algum conhecimento real de ambos), pois é um caminho de pura divagação. A vida e alguns (longos) anos de engenharia ensinaram-me que quantidade não é qualidade. Que não devo ficar agarrado a minha formação inicial, que a experiência, a vida o relacionamento com outros engenheiros e técnicos, a partilha de experiência, as vivências fora de fronteiras e em especial a evolução da ciência, levou-me a questionar muita das coisas que aprendi no passado e a reformular as soluções do presente. Muito do que se aprendeu á 10 anos (ou menos) a tecnologia de hoje diz ser errado ou que está obsoleto. Ser engenheiro hoje, implica estar constantemente e obter conhecimento, frequentar cursos de actualização, aprender novas matérias. É por isso que as faculdades deixaram de ser um lugar onde se tirava um "canudo" e passou a ser uma casa para se visitar ao longo da vida. Isso é o processo de Bolonha, que tantas pessoas, homens de ciência, governos e entidades de diferentes culturas abraçaram. Estarão todos errados?...

Citar

#-6 Reportar esta resposta 10-01-2012, 09:32

Eng. Albino Miguel Berenguer Matias

Membro

Região: Sul

Respostas: 12

Re: O Processo de Bolonha

Citação:

Respondido originalmente por Eng. Francisco Manuel Rodrigues Craveiro

De facto o legislador não foi feliz?os títulos pós Bolonha deveriam ser Bacharelato, Mestrado e Doutoramento e evitavam-se confusões. Como está, teremos que frisar se a licenciatura é antes ou depois do processo de Bolonha. No entanto um erro não se corrige com outro erro. Os títulos são adquiridos nas escolas! E uma Licenciatura antes de Bolonha não é um Mestrado de Bolonha! Este teve uma tese e uma prova pública. Devemos fazer os dois para sentir a diferença (foi o que fiz!). E depois se os licenciados antes de Bolonha na secretária passassem a Mestres?os mestrados teriam que passar a doutores?e para os doutores teríamos que inventar um novo título?Só em Portugal!
".....depois se os licenciados antes de Bolonha na secretária passassem a Mestres?...:" Qual era o problema? "....os mestrados teriam que passar a doutores?...." Eventualmente "....e para os doutores teríamos que inventar um novo título?...." Ora então é melhor prejudicar 100 para não prejudicar 20? "...Só em Portugal!....." Só em Portugal as Universidades se aproveitam de uma reforma legislativa para sacar dinheiro fácil. Na sua essência está-se a declarar a obsolescência das licenciaturas sem acautelar os interesses pessoais de quem as tirou. É a lei da selva!

Citar

#-5 Reportar esta resposta 10-01-2012, 09:24

Eng. Albino Miguel Berenguer Matias

Membro

Região: Sul

Respostas: 12

Re: O Processo de Bolonha

Citação:

Respondido originalmente por Eng. Francisco Manuel Rodrigues Craveiro

De facto o legislador não foi feliz?os títulos pós Bolonha deveriam ser Bacharelato, Mestrado e Doutoramento e evitavam-se confusões. Como está, teremos que frisar se a licenciatura é antes ou depois do processo de Bolonha. No entanto um erro não se corrige com outro erro. Os títulos são adquiridos nas escolas! E uma Licenciatura antes de Bolonha não é um Mestrado de Bolonha! Este teve uma tese e uma prova pública. Devemos fazer os dois para sentir a diferença (foi o que fiz!). E depois se os licenciados antes de Bolonha na secretária passassem a Mestres?os mestrados teriam que passar a doutores?e para os doutores teríamos que inventar um novo título?Só em Portugal!
De facto os títulos são adquiridos nas escolas, mas lamento que esteja aqui a afirmar públicamente a superioridade do Mestrado de Bolonha relativamente à Licenciatura pré-Bolonha, algo completamente falso. Porventura estará a insinuar que os 5 anos pré Bolonha foram de diversão? Ou acha que os alunos Pós Bolonha são mais inteligentes e por isso conseguem em 5 anos algo que anteriormente demorava 6 ou 7? ( e isto apesar do reconhecido facilitismo universitário que se tem vindo a instalar nos ultimos anos). Lamento que a OE tenha capitulado face a esta questão, mas também com opiniões destas o que seria de esperar? Provavelmente eu e muitos milhares de colegas estamos todos errados, somos todos pré Bolonha e por isso não temos capacidade para entender a questão, não é verdade ?

Citar

#-4 Reportar esta resposta 29-12-2011, 17:26

Eng. Victor Manuel Bento Antunes

Membro

Região: Sul

Respostas: 2

Re: O Processo de Bolonha

Uma das duvidas que eu tenho é se a nossa ordem foi consultada sobre todo esse processo. Em caso afirmativo, qual foi a posição.

Citar

#-3 Reportar esta resposta 02-11-2011, 15:44

Eng. Francisco Manuel Rodrigues Craveiro

Membro Sénior

Região: Sul

Respostas: 9

Re: O Processo de Bolonha

De facto o legislador não foi feliz?os títulos pós Bolonha deveriam ser Bacharelato, Mestrado e Doutoramento e evitavam-se confusões. Como está, teremos que frisar se a licenciatura é antes ou depois do processo de Bolonha. No entanto um erro não se corrige com outro erro. Os títulos são adquiridos nas escolas! E uma Licenciatura antes de Bolonha não é um Mestrado de Bolonha! Este teve uma tese e uma prova pública. Devemos fazer os dois para sentir a diferença (foi o que fiz!). E depois se os licenciados antes de Bolonha na secretária passassem a Mestres?os mestrados teriam que passar a doutores?e para os doutores teríamos que inventar um novo título?Só em Portugal!

Citar

Responder

Parceiros Institucionais